COLÉGIO MAGNUM CIDADE NOVA

UMA ESCOLA COMPLETA

COLÉGIO MAGNUM CIDADE NOVA

UMA ESCOLA COMPLETA

Notícias  

Entenda como o estudante é preparado para o mercado de trabalho na escola

09 outubro 2020

   Uma escola que se propõe a oferecer formação completa aos estudantes se preocupa com o futuro deles no mercado de trabalho. Isso significa ensinar não só conhecimentos teóricos ou técnicas para o vestibular, mas também contribuir para a formação ética e fortalecer habilidades que serão utilizadas na vida profissional.

   Quando isso não acontece, os jovens saem das instituições de ensino despreparados para enfrentar os desafios e as responsabilidades profissionais. Em alguns casos, há dificuldade até na hora de escolher qual carreira seguir.

   "Além de todos os quesitos acadêmicos e habilidades cognitivas necessárias, o mercado de trabalho procura pessoas que tenham consolidado, ao longo de sua trajetória escolar, habilidades socioemocionais fundamentais para a autogestão e o convívio social", defende Florence Barbosa, coordenadora de Formação da 1ª e da 2ª Série do Ensino Médio do Colégio Magnum.

 

As habilidades socioemocionais na escola e no mercado de trabalho

Habilidades socioemocionais contribuem para que as pessoas consigam lidar com as emoções, gerenciar objetivos de vida e se relacionar com outras pessoas. Seguem alguns exemplos:

  • autorregulação;
  • empatia;
  • colaboração;
  • resiliência.

   "Muitas vezes, vemos profissionais academicamente bem estabelecidos, mas que não têm autonomia ou não conseguem trabalhar de forma colaborativa com um grupo", analisa Florence. “No Magnum, nós substituímos a ideia de trabalhar apenas a vocação dos alunos por uma abordagem formativa mais ampla, ao longo de todo o percurso escolar, baseada em princípios, valores e habilidades socioemocionais que os estudantes precisam desenvolver para atuar no mercado.”

   O Colégio trabalha a formação dos alunos, a partir de uma matriz de habilidades socioemocionais. Essas habilidades são consideradas no planejamento curricular da Educação Infantil até o Ensino Médio e proporcionam aos estudantes ferramentas indispensáveis para a vida adulta.

   "Nossa matriz é hierárquica, ou seja, começamos com habilidades mais simples e caminhamos em direção às mais complexas, de acordo com a faixa etária do estudante. Enquanto trabalhamos com os alunos do Ensino Fundamental a honestidade, por exemplo, no Ensino Médio é trabalhada a integridade, que pressupõe, além de dizer a verdade, demonstrar, em atitudes, uma conduta reta. Trabalhamos, de maneira intencional, outras habilidades muito valorizadas pelo mercado de trabalho: a comunicação assertiva, a tomada de decisão e a resolução de conflitos", afirma.

   A coordenadora acrescenta que o autoconhecimento é um dos principais instrumentos para um bom posicionamento no mercado de trabalho. "Um bom profissional é capaz de regular a si mesmo sem intervenção externa, possui autoconfiança, equilíbrio emocional e é paciente com os outros. E os dados não mentem: nossos alunos são aprovados em muitos processos seletivos, nos quais não são avaliadas somente as habilidades cognitivas, mas também as competências intrapessoal e interpessoal."

 

Como essas ações impactam na formação dos jovens?

   Ao prezar pela formação integral do aluno, a escola garante que ele consiga se adaptar em diferentes situações e ambientes, como o do trabalho. Não é exagero, portanto, afirmar que a formação dos profissionais do futuro começa desde os primeiros anos da criança no ambiente escolar.

   Questões básicas de convivência em sociedade são apresentadas aos alunos logo na Educação Infantil. Para que essas habilidades sejam desenvolvidas da maneira correta, a criança precisa ser estimulada, por exemplo, a:

  • fazer escolhas;
  • conviver em grupo;
  • enfrentar desafios;
  • respeitar as diferenças.

   Essas práticas colaboram para que o jovem, no futuro, se integre à sociedade de maneira adequada e ingresse no mercado de trabalho, tendo maiores possibilidades para alcançar sucesso tanto em sua vida social quanto em sua vida profissional.

   "Controlar impulsos e emoções para realizar suas atividades de forma organizada é essencial, por isso a disciplina é desenvolvida desde cedo com as crianças. É por meio de um planejamento gradativo e arrojado que é possível formar jovens autônomos e proativos.”

   Após vivenciar todo o trabalho de base, o estudante chega ao Ensino Médio capaz de lidar com atividades semelhantes às desempenhadas no mercado de trabalho, como a tomada de decisão, o gerenciamento do tempo, a definição de prioridades e a organização de tarefas.

 

Como conciliar a vocação com oportunidade

   E é neste momento que o jovem começa a pensar efetivamente na sua carreira profissional. Por mais que algumas profissões possam fazer parte de seus sonhos de criança de algumas pessoas, é nesta fase que o adolescente, com o apoio da família e da escola, verificará qual é a melhor carreira a seguir.

   Nesse momento, a presença dos pais é importante, mas não pode ser a base única para a decisão dos alunos. O jovem precisa de espaço para escolher a profissão em que deseja atuar. Na escola, uma maneira interessante de abordar diferentes carreiras é trazer de volta ex-alunos que atuam em diferentes áreas, para exemplificar a atuação profissional, prática realizada no Colégio Magnum.

   ''Acreditamos no protagonismo dos alunos. Trabalhamos, por exemplo, com a metodologia da aula invertida, no qual o aluno apresenta um objeto de aprendizagem para os colegas. Desta maneira, o estudante prepara a aula, escolhe as ferramentas a serem utilizadas e, por fim, conhece suas aptidões e as habilidades que ele ainda precisa consolidar ", diz Florence. 

   Com o mundo em constante mudança, com inovações aceleradas, as escolas estão cada vez mais preocupadas em preparar seus alunos para as profissões do futuro, para o empreendedorismo e para o mercado. Educar, afinal, é preparar os estudantes para a vida. E o trabalho é um componente importante da rotina que permeia a existência humana.

 

O segredo é o autoconhecimento

   Portanto, é importante ressaltar a posição decisiva que o autoconhecimento exerce na escolha de uma carreira profissional. Ao longo de toda a trajetória escolar, os estudantes têm a oportunidade de entrar em contato com diferentes áreas do conhecimento, experimentar jeitos de pensar e atuar de diversas maneiras em várias situações que funcionam como um treinamento para a vida adulta.

   Desta forma, o dia a dia na escola pode ser considerado um ensaio para o que será o cotidiano profissional. Assim como no trabalho, há momentos de aprendizado, de competição, de entregar resultados, de buscar soluções e de atuar em conjunto, sempre tendo em mente que a condição de indivíduo não deve ser deixada de lado. 

   Ao chegar no exercício da profissão escolhida, é preciso que cada um tenha consciência das suas capacidades. O que o mercado de trabalho procura, em suma, são profissionais que saibam aliar o know-how adquirido na graduação, por exemplo, com habilidades necessárias não somente em profissionais qualificados tecnicamente, mas em cidadãos conscientes e conectados com o mundo ao seu redor. E isso pode ser desenvolvido ao longo do percurso escolar.